Arquitetura

Bioconcreto: o que é e como ele é capaz de se regenerar

Compartilhe nas redes sociais:

O concreto é um dos materiais de construção mais utilizados no mundo, sendo comum em estruturas mais simples até as mais complexas, mas que infelizmente acaba sofrendo danos com o passar do tempo. A produção de cimento é responsável por cerca de 8% das emissões globais de dióxido de carbono de acordo com o relatório da WWF.

Agora, imagine um material tão resistente quanto o concreto, mas capaz de se regenerar sozinho, sem precisar que se tenha gastos com mão de obra e manutenção e que ainda seja sustentável. Parece incrível, não é mesmo? Pois esse material já existe e é conhecido como Bioconcreto.

Mas o que é Bioconcreto?

O Bioconcreto foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Tecnologia de Delft, na Holanda, para solucionar o processo de deterioração dos materiais expostos pelas ações da natureza ao longo dos anos. Dessa forma, o Bioconcreto combina estudos da biologia com a engenharia civil.

Esse material chegou para revolucionar a construção civil e está ganhando mais espaço ao longo dos anos por ser uma solução para a ação do tempo nas construções: já que ele é capaz de regenerar suas próprias rachaduras.

Apesar de ser um material mais caro que o concreto comum, seu custo/benefício é maior quando avaliado a longo prazo, tornando-se uma opção mais barata e sustentável que é capaz de aumentar o tempo de vida dos empreendimentos.

Pela sua capacidade de regeneração das próprias rachaduras, o Bioconcreto é capaz de se autoconsertar poupando a construção civil de gastos com mão de obra e manutenção.

Entenda como o Bioconcreto funciona

O pesquisador e microbiologista holandês Hendrik Jonkers desenvolveu o Bioconcreto a partir da combinação do concreto comum e de colônias da bactéria Bacillus pseudofirmus.

Para que desse certo, as bactérias utilizadas deveriam ser resistentes e capazes de sobreviver em condições difíceis e sem oxigênio. As Bacillus pseudofirmus são encontradas em áreas inóspitas como crateras de vulcões ativos e lagos congelados na Rússia. Elas também são capazes de viver mais de 200 anos.

Esses microrganismos permanecem adormecidos e sobrevivem em ambientes com pH alto, que é o caso do concreto. Quando misturados, eles são ativados ao detectar a presença da umidade no ambiente, o que acontece quando há danos como rachadura, o que deixa a estrutura interna exposta.

O Bioconcreto é capaz de se regenerar por meio da alimentação e da digestão das bactérias. Quando elas saem da inércia, consomem o lactato de cálcio utilizado na mistura do concreto, liberando calcário na digestão, que ocupa o espaço aberto no concreto. Sendo assim, o calcário produzido é acumulado na região das rachaduras.

Além de diminuir os gastos com mão de obra e manutenção na construção civil, o Bioconcreto é capaz de reduzir as emissões de carbono que são emitidas durante o processo de produção do concreto.

Obras feitas com Bioconcreto

O Bioconcreto vem sendo testado em algumas construções. Na Holanda, há uma construção feita totalmente desse material e que é monitorada pelos pesquisadores a cada dois anos.

A primeira estrutura a usar oficialmente o material foi uma estação de salva-vidas de um lago. A edificação está sujeita a condições extremas com alta incidência solar e presença contínua de água. Servindo de teste, ela prova a eficácia do Bioconcreto e permanece vedada desde a construção.

O Bioconcreto também está sendo utilizado em canais de irrigação no Equador. O país tem grande atividade sísmica, e esses eventos são capazes de provocar rachaduras na estrutura.

Pelos preços elevados, o Bioconcreto é mais indicado para ser utilizado em estruturas subaquáticas ou no subsolo, ambientes com maior chance de vazamento ou corrosão.

Sendo assim, o grande desafio da implementação do Bioconcreto na construção civil é o fato de ele ser um material mais caro se comparado com a produção do concreto comum. Apesar disso, as vantagens da aplicação e da economia com gastos de mão de obra e manutenção a longo prazo são enormes ao se comparar os dois materiais.

A tecnologia ainda não é implementada no Brasil justamente pelo seu alto custo. A expectativa é de que, com os avanços das pesquisas, o material possa ser implementado com mais frequência em construções do mundo inteiro.

Gostou de saber o que é Bioconcreto? A expectativa é de que os avanços das pesquisas e o monitoramento dos testes realizados façam com que esse material esteja cada vez mais presente nas construções pelo mundo.

Aproveite para ler outro de nossos conteúdos sobre as tecnologias para construção civil: veja o que estará em alta até 2022.