As vantagens da integração e autonomia das máquinas preconizadas pela Indústria 4.0 podem ser obtidas pelas empresas independentemente de segmento ou porte. Diferente do que se pode imaginar, as tecnologias que integram mundo físico e virtual são aplicáveis também a pequenas e médias empresas. 

Assim como nas grandes indústrias, esta adesão demanda mudanças e investimentos para atingir o patamar tecnológico, inclusive na forma de gerir o negócio. Ou seja, ela afeta todos os setores além do ambiente fabril propriamente, inclusive o cliente, que através de novos recursos passa a demandar e participar do processo produtivo, a exemplo dos produtos personalizados.  

No Brasil, algumas empresas menores já iniciaram o processo de digitalização com foco no aumento de produtividade. O movimento ainda é lento, porém gradativo, e segundo os especialistas deve ser determinante para distinguir quem vai ou não permanecer competitivo no mercado. 

Mas quais os requisitos para implementar a Indústria 4.0 em pequenas e médias empresas?

  • Automatização da produção, tanto nos processos produtivos quanto no desenvolvimento da cadeia produtiva;

  • Interoperabilidade, ou seja, todos os sensores, atuadores e sistemas de um ambiente industrial conseguem se comunicar, mesmo quando descendentes de fornecedores diversos;

  • Virtualização de processos, possibilitando que os dados obtidos nos produtos e equipamentos físicos sejam transmitidos aos modelos virtuais e em simulações;

  • Adaptação da produção em tempo real, uma vez que os dados são analisados no instante de sua coleta;

  • Sistemas modulares dos equipamentos e das linhas de produção, que permitirão a adaptação da produção em tempo real;

  • Processos de produção descentralizados, com tomadas de decisão na manufatura e nos processos de produção em tempo real.

A migração para os conceitos da Indústria 4.0 pode ser feita gradativamente e de diferentes formas, a depender dos recursos disponíveis e resultados desejados. O uso de sensores de monitoramento, fazer retrofit dos equipamentos, e integrar os indicadores em uma base única são exemplos de ações para aproximar as pequenas e médias empresas da quarta revolução industrial.